O exército de homens sós


Matheus Pichonelli, CartaCapital

“A letra é a mesma. A cidade também. Mas há tanta dor na versão de “New York, New York” interpretada por Sissy Sullivan, personagem de Carey Mulligan no dilacerante “Shame”, que o som nem de longe remete à música festiva imortalizada por Frank Sinatra.

A ideia da conquista, do alcance do topo do topo do mundo, parece se dissolver numa melodia chorada, de quem sabe ter conseguido tudo o que quis e confessa “abestalhado” a decepção – como em outra música, em bom português, espécie de avesso do clássico nova-iorquino.

Enquanto ouve a irmã cantar, num piano bar de Nova York, Brandon (Michael Fassbender) emite um dos raros sinais de uma sensibilidade escondida em cada poro do corpo. É só a primeira das muitas rachaduras de uma parede de concreto prestes a ser arrebentada no filme de Steve McQueen.

Nas mãos do diretor, a realidade conhecida por quem vive nas grandes cidades se transforma em prisão domiciliar – e deixa o filme mais próximo do terror que de um drama em família.

Brandon é o típico modelo padrão das revistas para executivos – daquelas que estampam nas suas capas os talentos promissores, vaidosos, bem vestidos e bem penteados, posando no topo de um escritório de onde se enxerga a cidade inteira. Que parece postada a seus pés.

Vendo-o, é possível imaginar as fileiras de executivos bem-sucedidos que vemos todos os dias pelas ruas – que descem de suas baias, a certa hora do dia, e saem para falar sobre trabalho em rodas de Bolinha e Luluzinha nas mesas de bar e baladas de meio de semana. É o terreno onde se reproduzem os yuppies que caíram no conto da Você S.A.”
Artigo Completo, ::Aqui::

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...