"O cinema está vivo e muito bem"


Elaine Guerini, Valor

“O francês Thierry Frémaux, de 51 anos, passa o ano com os olhos grudados à tela da televisão, onde assiste a cerca de 1.800 DVDs de filmes, vindos de todos os cantos do mundo. Apenas 20 deles chegam à disputa pela prestigiada Palma de Ouro e mais 20 são selecionados para a mostra Un Certain Regard, o que aumenta a pressão sobre os ombros de Frémaux.

Há cinco anos como diretor-geral do Festival de Cannes, posto aprovado na França pelos ministros da Cultura e das Relações Exteriores, é ele quem seleciona os últimos trabalhos de grandes cineastas, descobre novos talentos e, de preferência, aponta os filmes que conquistarão a plateia mundo afora, ao longo do ano.

Foi o que aconteceu com "O Artista", que teve première mundial na Riviera Francesa, nove meses antes de sua recente consagração no Oscar deste ano. "Foi uma aventura maravilhosa iniciarmos a carreira do filme conosco, em maio, e vê-lo continuar dando o que falar até fevereiro do ano seguinte, na cerimônia do Oscar", afirma o diretor.

Neste ano em sua 65ª edição, o maior festival de cinema do mundo começa amanhã, com a exibição do filme "Moonrise Kingdom'', de Wes Anderson. Entre os candidatos à Palma de Ouro estão os novos trabalhos de Michael Haneke ("Amour"), Abbas Kiarostami ("Like Someone in Love"), Ken Loach ("The Angel's Share") e David Cronenberg ("Cosmopolis"). Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista que Frémaux concedeu ao Valor.

Valor: Como o sr. chegou à seleção do festival neste ano? Como anda o cinema mundial, principalmente depois da crise financeira, que limitou a oferta de filmes dos EUA e de alguns países europeus nas últimas edições?

Thierry Frémaux: É preciso vários anos para julgar o estado do cinema mundial. Nós não julgamos o vinho de Bordeaux só a partir de uma única colheita. O cinema se mantém misteriosamente poderoso e resistente à "civilização das imagens". Há quem apostasse que o cinema não conseguiria sobreviver ao vídeo e à internet. Mas o ato de fazer um filme continua único. Ainda que um filme precise de dinheiro, a crise não impediu que os artistas continuassem a se reinventar. Obviamente, eu falo como cinéfilo. Por isso digo que o cinema está vivo e muito bem.”
Entrevista Completa, ::Aqui::

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...